MENOS DO MESMO

A instalação Menos do Mesmo, da artista Simone Peixoto, aflora a imaginação e nos leva a um jardim colorido e fantástico, querido como os da memória. São gravuras que retratam plantas e insetos, produtos da curiosidade pela repetição e reprodução, em busca das variações de forma e sentido.

Os ingressos não estão à venda
Ver outros eventos
MENOS DO MESMO

hora e local

02 de abr. 19:00

Centro, R. Getúlio Vargas, 154a - Centro, São João del Rei - MG, 36300-086, Brasil

sobre

Essa é a primeira exposição do calendário anual da Adro Galeria, em São João del-Rei. Ela acontece de 02 de abril até 11 de junho, podendo ser visitada de quarta a sexta (das 15h às 20h) e sábados (das 10h às 20h).

A partir de três matrizes, a artista produziu cerca de 160 imagens de cigarras, bromélias, samambaias, grama-amendoim - espécies conhecidas e nada exóticas - como ação poética que eleva o banal ao centro das atenções. Contudo, não se trata de uma busca por uma série de imagens idênticas, mas pelas  possibilidades de explorar criativamente texturas e cores, guiada por um pensamento gráfico. Ela compreende que a gravura, tão sofisticada em seus processos e detalhes, também pode ser direta e se utilizar de materiais pouco convencionais.

A busca pelo banal está relacionada à autorreferência, outro forte traço de suas obras, ela mesma avalia: "Eu via a narrativa de minha vida nesses pequenos objetos. Descobri como era legal que uma pessoa que vê um desenho muito auto-referente não vai investigar o que é para você, mas ela vê ela mesma". O público cria, com outras lembranças, uma relação pessoal com as peças.

Natural de Brasília, Simone Peixoto iniciou sua trajetória artística quando ingressou no Instituto de Artes da Unicamp, onde completou a graduação (2002) e mestrado (2009), orientada por Luise Weiss. Atualmente, realiza o doutorado em Poéticas Visuais pela mesma instituição. É co-fundadora do Ateliê Itinerante Xilomóvel, projeto que leva um ateliê itinerante até espaços públicos, oferecendo oficinas gratuitas de xilogravura e monotipia em diversos estados do país desde 2010.

Ao convidar a artista Simone Peixoto para produzir essa instalação gráfica o foco principal da curadoria foi deslocar a linguagem tradicional da xilogravura do lugar comum, ressignificando o próprio espaço da exposição como uma espécie de cenário abstrato propício às experiências sensoriais dos visitantes.